Parceria – ICESP prepara mais uma edição da Feira das Profissões

Icesp prepara mais uma edição da Feira das Profissões

 

14517670_1105170969520185_545462920523196452_n

 

 

Este ano, o evento estará aberto para a comunidade e empresas parceiras

Nos dias 26 e 27 de outubro, das 8h às 16h, a Faculdade Icesp realizará mais uma edição da Feira das Profissões – Sua Profissão está aqui.

Este ano, com o tema “Abra as Cortinas do seu Conhecimento”, a feira será realizada na unidade de Águas Claras.

A Feira das Profissões do Icesp já se tornou tradição na instituição e apresenta todos os anos, mais de 20 cursos superiores para os estudantes do terceiro ano do ensino médio das escolas públicas e privadas do Distrito Federal e para quem tem o sonho de ingressar no ensino superior. O evento estará aberto para a comunidade e para os colaboradores das diversas empresas parceiras.

Os estudantes vão ter das mais diversas atrações como: vestibular especial, exposições, simulador de voo, palestras, júri simulado, brindes Icesp, Icesp TV- Você é o repórter, Apresentação de cursos, testes e orientações vocacionais, além de atendimento oftalmológico. Serão dois dias de muita diversão e foco no futuro profissional de cada participante.

Disponível em : <http://www.icesp.br/feiradasprofissoes2016/> Acesso o site e faça sua inscrição.




AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA: INOVAÇÃO OU MENTIRA?

AUDITORIA CIDADÃ DA DÍVIDA: INOVAÇÃO OU MENTIRA?

Gisella Colares Gomes

img-20131025-wa0002

A Constituição Federal afirma que o orçamento geral da União é composto pelo orçamento fiscal, orçamento das empresas estatais e orçamento da seguridade social. Isto é o que deveria ser respondido em uma prova de concurso público. Mas, e na prática?

A Auditoria Cidadã da Dívida (ACD) recebe algumas críticas que pecam por não transcender da teoria que consta nos livros à pratica de uma gestão orçamentária e financeira. Todos querem encontrar na realidade a perfeita conceituação das teorias, sem imprecisões, sem imprevistos, sem adaptabilidade à existência de outras dimensões, teorias e práticas. Enfim, sem a existência de outras lentes.

A proposta da ACD é diferente: a partir da realidade observada, busca construir categorias conceituais que as definam e expliquem. Georgescu-Roegen observou que “o homem pode não ser um instrumento preciso como um microscópio, mas ele é o único que pode observar o que todos os instrumentos juntos não podem”. É esta capacidade de percepção sistêmica que a ACD busca para a construção do conhecimento dinâmico sobre a realidade fiscal e financeira.

Em “A Teoria Geral dos Sistemas” L.V. Bertalanffy disse “os acontecimentos parecem implicar mais do que unicamente as decisões e ações individuais, sendo determinados mais por “sistemas” sócio-culturais, quer sejam preconceitos, ideologias, grupos de pressão, tendências sociais, crescimento e declínio de civilizações ou seja lá o que for”. Eu acrescentaria que os acontecimentos se desenrolam como uma rede, enquanto continuamos a vê-los como estruturas lineares.

É neste sentido que as lutas corporativas perderam sentido. Na disputa orçamentária, se não pensarmos no orçamento geral e nas interrelações entre suas categorias, vamos referendar que os recursos destinados ao pagamento dos serviços da dívida são intocáveis e vamos disputar o resíduo do orçamento entre a saúde, a educação, habitação etc. Ao passo que se pensarmos e agirmos em rede, vamos fazer um grupo de pressão com a diversidade de reais necessidades para disputar todo o orçamento.

Sem entrar no mérito da correção das críticas, o que se observa é o apego em pontos específicos que impedem de ver a amplitude e riqueza da proposta.

A história de 15 anos de atuação da organização sem fins lucrativos Auditoria da Cidadã da Dívida no esforço de implementar o artigo 26 do Ato das Disposições Transitórias – ADCT da Constituição da República Federativa Brasileira trouxe a compreensão de que o endividamento público deixou de ser o tradicional instrumento de financiamento para o Estado exercer seu papel de distribuidor de renda e bem-estar social e passou a ser um arranjo de subtração de recursos do orçamento governamental para alimentar um esquema, para uma elite, uma rede de acumulação financeira.

Neste sentido, adotou-se a definição de “Sistema da Dívida” como sendo um esquema resultado da interação do modelo econômico prevalecente com a captura dos sistemas legais e políticos, da mídia e especialmente orientado e monitorado por organismos internacionais como o FMI e o Banco Mundial, tudo voltado para os interesses do mercado financeiro globalizado. A principal característica do sistema da dívida é a ausência de contrapartida para a sociedade. Este movimento de enclosure do fundo público é observado em nível internacional e, no Brasil, se estende às condições de endividamento entre os entes federados, a União e agentes financeiros nacionais e internacionais.

A contribuição da Auditoria Cidadã da Dívida, coordenada por Maria Lucia Fattorelli, é multidimensional. Oferece uma percepção integral que possibilita o entrelaçamento matricial da contabilidade, do direito, da adequação orçamentária, da sustentabilidade econômica intertemporal etc. Os contratos, títulos, papéis financeiros etc. são contextualizados para o entendimento dos termos e condições nas quais essas operações foram realizadas.

A auditoria deveria ser um pré-requisito para toda e qualquer ação pública relacionada a operações de crédito, principalmente se esta auditoria estiver no âmbito de um amplo sistema de controle social. Isto contribui para o desenvolvimento da cidadania. Sua reivindicação não se restringe a auditar o passado, mas também o presente. O sistema da dívida é dinâmico e captura diversas instituições em cada momento histórico, daí a importância de conhecer seus fundamentos e poder identificá-los nas proposições de políticas e leis nos dias atuais. A extração da mais valia tornou-se mais complexa e transcendeu ao espaço geográfico das fábricas.

Interessa ressaltar que não se analisa políticas, propostas de leis e leis isoladamente. O arcabouço do sistema da dívida não é encontrado explicitamente, ele vem cifrado em interações dos diversos mecanismos legais ou meramente financeiros, como swaps e debêntures.

Foi a vivência na Grécia (conhecimento acumulado) que propiciou condições para a identificação (conhecimento em ação) de um sofisticado esquema de transferência de recursos para o setor privado financeiro que se encontra em andamento no Brasil, o qual está em vias de ser legalizado (PLS 204/16, PLP 181/15, PL 3337/15) e ter garantido, no texto constitucional, a sua sustentabilidade (PEC 241/16).

Em tese, os ditos projetos de lei visam legalizar a propagandeada cessão ou novação de direitos creditórios sobre a Dívida Ativa para empresas estatais não dependentes regidas pelo direito privado, que tem como objetivo social estruturação e implementação de operações que envolvam a emissão de valores mobiliários, tais como debêntures, sem dizer a finalidade ou motivação destas captações. Na prática, não ocorre a cessão de direitos creditórios, que continuam sendo cobrados por órgãos oficiais competentes, mas é concedida uma garantia por parte dos entes federados às empresas não dependentes, em tamanho inicial equivalente ao volume de tais créditos. Tais garantias configuram obrigação onerosa e irão gerar dívida pública sem contrapartida alguma para os entes federados. Ao mesmo tempo, a proposta de emenda constitucional (PEC 241/2016) fala da imposição de um teto para o conjunto das despesas e investimentos públicos de ordem primária por 20 anos, admitindo-se apenas a correção monetária pelo IPCA, e excetua deste congelamento os serviços da dívida, as transferências obrigatórias, os recursos destinados às eleições e os recursos para aumento de capital de empresas estatais não dependentes.

Enfim, a Auditoria Cidadã da Dívida não é uma teoria e nem é infalível em sua existência. No entanto, toda imperfeição quando tratada coletivamente eleva a um nível superior todos os envolvidos. A auditoria é acima de tudo um locus de compartilhamento de experiências e conhecimento para a libertação dos grilhões do sistema da dívida. E como disse Chomsky, “isso não significa escutar uma palestra ou ler um livro, embora essas coisas às vezes ajudem. Aprende-se a participar. Aprende-se com os demais. Aprende-se com as pessoas com quem se quer organizar. Todos temos de alcançar conhecimentos e experiências para formular e implementar ideias”, e eu acrescento construir soluções.

 




Minuta do plantão 12X36: prazo da AGEMPU para receber sugestões vai até o dia 13/10

LOGO-DA-AGEMPU

Associação Nacional dos Agentes de Segurança Institucional do MPU e CNMP

Minuta do plantão 12X36: prazo da AGEMPU para receber sugestões vai até o dia 13/10

A Administração recentemente divulgou minuta de portaria sobre o eventual regime de plantão (12X36). No intuito de aprimorar a minuta dessa possível portaria, a AGEMPU está abrindo o prazo para que sugestões dos associados sejam recebidas.

Todos devem participar. Necessário primeiramente que se leia a íntegra da minuta. Depois, que as sugestões sejam pontuadas e enviadas para o seguinte endereço eletrônico: [email protected]

Tais sugestões devem fazer referência ao artigo, parágrafo ou inciso, que se quer excluir ou retificar, ou, ainda, ao artigo que se queira incluir. Necessário também uma resumida exposição de motivos.

Depois do dia 13/10, encerrado o prazo, a AGEMPU irá sistematizar todas as sugestões e deliberar democraticamente sobre elas em Assembleia que será realizada até o dia 21/10.

Nos termos do que for recebido, discutido e aprovado coletivamente, a Coordenação-Geral da associação realizará as articulações políticas necessárias para que a minuta elaborada e divulgada seja aprimorada.

>>> Baixe AQUI a Minuta do plantão 12X36 leia, organize e pontue as suas sugestões e envie para [email protected] <<<




EDITAL DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA AGEMPU

LOGO-DA-AGEMPU

EDITAL DE ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DA AGEMPU

A Diretoria Colegiada da Associação Nacional dos Agentes de Segurança Institucional do MPU e CNMP – AGEMPU, conforme disposto no Estatuto nos Art. 10-A, Art. 11, Art. 12, Art.14, Art.18 e Art.19, convoca todos os associados e Agentes Segurança não filiados para se reunirem em Assembleia Geral Extraordinária, no dia 30 de setembro de 2016, na sede desta Associação, situada SAF SUL Quadra 04 Lote 03 Bloco B Subsolo – DTI – Brasília, com a seguinte pauta:

Posicionamento da Associação sobre o exercício das atribuições dos Agentes de Segurança Institucional do MPU por servidores que ocupam Cargos Comissionados

A Assembleia será iniciada às 13:30, em primeira chamada, com quórum de 1/3 dos filiados. Não obtendo o quorum necessário, far-se-á a segunda chamada às 14:00 horas, no mesmo local, com qualquer número de associados.

 Brasília-DF, 29 de setembro de 2016

 Coordenadores Gerais




Curso Gestão Estratégica de Segurança Institucional

unnamed

DATA E LOCAL

DATA: 29 e 30 de novembro de 2016.

CARGA HORÁRIA: 14 horas/aula.

HORÁRIO: 09h00 às 12h00 e 13h30 às 17h30.

LOCAL: Brasília – DF. Metropolitan Flat Espaço de eventos SHN Quadra 2, bloco H.

INSCRIÇÕES

Interessado em participar do curso deverá encaminhar a ficha de inscrição preenchida para o e-mail [email protected], até 18 de novembro de 2016. A confirmação da inscrição somente ocorrerá com o recebimento de cópia da nota de empenho ou do comprovante de depósito em conta corrente, a qual deverá ser encaminhada, impreterivelmente, até 24 de novembro de 2016 para o e-mail [email protected]. As vagas são limitadas e as inscrições obedecerão a ordem de recebimento da documentação pela LOGOS.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

MÓDULO 1 – ELEMENTOS DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL

Cenário contemporâneo de segurança. Conceitos e princípios de Segurança Institucional. Visão sistêmica da Segurança Institucional. Conjunto de medidas de segurança orgânica. Conjunto de medidas de segurança ativa. Segurança Institucional e Contra inteligência. Processos estratégicos de Segurança Institucional (Classificação da informação; credenciamento de segurança; tratamento da informação classificada e gerenciamento dos TCMS).

MÓDULO 2 – GESTÃO ESTRATÉGICA EM SEGURANÇA INSTITUCIONAL

Fundamentos do pensamento estratégico. Conceito de Política, estratégia e objetivos estratégicos. Estrutura de governança em Segurança Institucional. Aspectos estruturantes de gestão de segurança (estrutura organizacional; normas; capacitação e auditoria). Cultura de segurança e endomarketing. A Segurança Institucional como instrumento para agregar valor às organizações.

MÓDULO 3 – PLANEJAMENTO EM SEGURANÇA INSTITUCIONAL

Aspectos de planejamento estratégico em segurança. Planejamento estrutural e planejamento operacional. Política de Segurança Institucional. Plano de Segurança Institucional. Plano de Segurança Orgânica. Elaboração e implementação de planos e diretrizes de segurança.

MÓDULO 4 – GESTÃO DO CONHECIMENTO

Base de conhecimento da instituição. Visão integrada do conhecimento em Segurança Institucional. Estrutura e processos de gestão do conhecimento em Segurança Institucional. Metas de conhecimento por níveis de gestão. Inovação em Segurança Institucional. Sistema de lições aprendidas.

MÓDULO 5 – INTELIGÊNCIA DE SEGURANÇA INSTITUCIONAL

O Ramo Inteligência e o ramo Contra inteligência. Ciclo da Inteligência. Fontes de Inteligência. Dimensões da Inteligência (analítica e operacional). Produtos de Inteligência para Segurança Institucional. Inteligência Estratégica (análise de conjuntura).

MÓDULO 6 – FUNDAMENTOS DA GESTÃO DE RISCOS

Framework de Gestão de Riscos Institucionais. Objetivos estratégicos de Gestão de Riscos em Segurança Institucional. Contextos estratégicos. Metodologia de Gestão de Riscos da NBR ISO 31.000. Aplicabilidade da gestão de riscos em segurança. Elaboração e implementação de um programa de gestão de riscos.

CERTIFICADO

Será emitido certificado de conclusão do curso aos participantes com 75% de presença. Os certificados são registrados e estão em conformidade com a legislação nacional e estadual vigente.

INVESTIMENTO

R$ 1.320,00 (mil trezentos e vinte reais). Inclusos: material didático (versão impressa e digital), material de apoio (caneta, bloco de anotações e pasta) e coffee break.

A nossa página na internet possui informações sobre o curso:(www.logosconsult.com.br).

Agradeço a atenção e coloco-me à disposição.

Muito obrigado!

Camel André de Godoy Farah 

LOGOS – Inteligência e Planejamento Estratégico 

Email       [email protected]

Mobile      48 96991011

Web         www.logosconsult.com.br




Coordenadores da AGEMPU se reúnem com Diretor-Geral do MPDFT

20160920_155345

MPDFT promoverá cursos para os Agentes de Segurança Institucional na modalidade presencial

Em busca de qualificação, capacitação e aperfeiçoamento para os Agentes de Segurança Institucional, a Associação Nacional dos Agentes de Segurança Institucional do MPU e CNMP- AGEMPU- reuniu-se, na tarde desta terça-feira, dia 20 de Setembro de 2016, com o Diretor Geral, do MPDFT, visando à aproximação política para a defesa dos interesses do cargo de seus Associados e formação de parceria.

Nessa oportunidade, os Coordenadores da AGEMPU – Fernando Belchior Fontinele e Romulo Mateus – pontuaram a importância de se reconhecer  e capacitar permanentemente os Agentes de Segurança em todo o MPU e CNMP, o que inclui o MPDFT. Os servidores concursados cobram treinamento específico, de modo que possam oferecer um serviço de excelência.

O Diretor-Geral do MPDFT, Dr. Wagner de Castro Araújo, disse que o curso de Segurança Institucional, na modalidade presencial, está preparado  para todos os Agentes de Segurança Institucional do MPDFT.  Segundo o Secretário de Segurança Institucional do MPDFT, Coronel Arismar Luz Filho, “em breve, este curso será ministrado em três etapas: básico, intermediário e avançado”. Fontinele destaca que este primeiro contato com  autoridades do MPDFT é um passo muito importante para avançarmos na ocupação efetiva das atribuições do cargo de Agente de Segurança Institucional.

 Mudança de rumos na AGEMPU: Ação e capacitação

A nova diretoria da AGEMPU defende que as atribuições do cargo de Agente de Segurança Institucional devem ser desenvolvidas pelos servidores concursados do MPU.  Assim, a atual gestão vem firmando parcerias e adotando estratégias que viabilizem a valorização do Agente de Segurança Institucional. Dessa forma, consciente das dificuldades enfrentadas por esses agentes, em especial, ao que diz respeito à efetiva realização das atribuições inerentes ao cargo, nos  diversos ramos do MPU –  a AGEMPU continuará buscando, dentre outras conquistas para a categoria, uma forte atuação na área de capacitação, profissionalização e formação, seja presencial ou a distância.

Coordenação Geral




AGEMPU quer parceria com ESMPU e curso para todos os Agentes de Segurança Institucional do MPU

p1030187

Iniciativa pretende atender os novos parâmetros criados pela Lei 13.316/2016

Na segunda-feira, 19 de Setembro de 2016, os Coordenadores da AGEMPU – Romulo Mateus, Fernando Belchior e Cristiano Rocha- se reuniram com o Diretor- Geral da Escola Superior do Ministério Público da União (ESMPU), Carlos Henrique Martins Lima, visando uma parceria para a realização de cursos para todos os Agentes de Segurança Institucional do Ministério Público da União.

A parceria busca a realização de cursos na área de Segurança Institucional, objetivando fortalecer o currículo dos Agentes de Segurança Institucional do MPU, além de atender os novos parâmetros estabelecidos pela Lei nº 13.316, de 20 de julho de 2016, que dispõe sobre as carreiras dos servidores do Ministério Público da União- MPU e as carreiras dos servidores do Conselho Nacional do Ministério Público- CNMP. Essa lei foi provisoriamente regulamentada pela Portaria Nº 61, de 22 de Julho de 2016.

Diante da resposta positiva da  ESMPU em relação a esse pleito da Coordenação da AGEMPU, já se iniciou a elaboração de um projeto pedagógico para os cursos, que será apresentado à direção da ESMPU nos próximos dias. Antecipadamente, a Coordenação da AGEMPU agradece, em nome de todos os filiados, a presteza e colaboração da diretoria da ESMPU.

 

Coordenação Geral.




AGEMPU se reúne com Secretário de Relações Institucionais do MPF

Tramita no Congresso Nacional o Projeto de Lei n. 3.722/2012, que disciplina as normas sobre aquisição, posse, porte e circulação de armas de fogo e munições, cominando penalidades e dando providências correlatas. Atenta à tramitação da matéria e buscando aprimorar a redação do projeto, a fim de que os agentes de segurança do Ministério Público da União- MPU- tenham maior respaldo legal no desempenho de suas funções e condições de trabalho idênticas aos agentes de segurança do Poder Judiciário da União- PJU, a AGEMPU realizou, no dia 15 de setembro, uma reunião com Peterson de Paula Pereira, secretário de relações institucionais da PGR no Congresso Nacional.

Durante a reunião, que contou com a presença dos coordenadores Rogério Marques e Laércio Bernardes, a associação apresentou a Peterson Pereira os aspetos que considera problemático no projeto e informou que vai apresentar, em breve, um documento para formalizar as reivindicações e sugestões específicas da entidade. Uma parceria entre a AGEMPU e a Administração foi sugerida pelos coordenadores presentes. Não há óbice para um trabalho conjunto, seja no âmbito da Procuradoria Geral da República, seja nas articulações que se farão necessárias no Congresso Nacional.

Para o coordenador Rogério Marques, “o primeiro passo foi dado, mas temos muito trabalho pela frente, pois esse projeto envolve  interesses de várias categorias e não somente do MPU e PJU”. Já o coordenador Laércio Bernardes avalia que “a reunião foi positiva, pois agora poderemos montar uma estratégia conjunta com a Administração, o que pode fortalecer bastante o nosso pleito.” O documento da AGEMPU já está praticamente pronto e deve ser protocolado em breve, segundo Fernando Belchior, que ficou responsável pela elaboração, “tudo está sendo feito rapidamente, mas com atenção máxima, pois precisamos identificar um caminho que não nos coloque em rota de colisão com os interesses das demais carreiras da área de segurança a nível nacional”.

Atenciosamente,

Coordenação Geral

 




Nova Diretoria da AGEMPU conclui primeiro ciclo de reuniões

Nova Diretoria da AGEMPU conclui primeiro ciclo de reuniões
Foram realizadas reuniões nos dias 03 e 09 de setembro

dsc_0472

Mal tomou posse, a nova diretoria da Associação Nacional dos Agentes de Segurança do MPU/CNMP – AGEMPU –  já concluiu o primeiro ciclo de reuniões. Diversos assuntos foram discutidos e um rumo estratégico de atuação já está sendo construído.

Na primeira reunião, realizada no dia 03/09, foram discutidas as diretrizes gerais de atuação, questões da administração da entidade, finanças e, principalmente, a organização da solenidade de posse, um evento de importância política fundamental, pois a associação pretende convidar diversas autoridades, principalmente das áreas da segurança do Senado, Câmara dos Deputados, Poder Judiciário e vários outros órgãos públicos.

Já na segunda reunião, realizada hoje, 09/09, foram catalogadas as diversas demandas que estão sendo enviadas nacionalmente pelos associados. Na semana que vem, a diretoria dará continuidade ao trabalho de articulação política e jurídica para contemplar todos os pedidos. Segundo um dos Coordenadores Gerais da AGEMPU, Belchior Fontinele, “já temos muito trabalho pela frente. O desafio é grande, mas posso avaliar, pelo que vi nas duas reuniões, que a diretoria eleita é muito boa, está coesa e querendo trabalhar com afinco e dedicação. Vamos avançar, tenho absoluta certeza.”

Envie você também a sua demanda para a AGEMPU através do e-mail: [email protected]

 

Confira abaixo o RESUMO dos trabalhos em andamento

 

Atenciosamente,

 

Rômulo Luiz Mateus da Silva

Coordenador Geral da AGEMPU

Fernando Belchior Fontinele

Coordenador Geral da AGEMPU

Rogério Silva Marques

Coordenador Geral da AGEMPU

 

 




Aniversariantes do mês de setembro, parabéns!!!

Caro associado,

Parabenizamos os associados aniversariantes deste mês de setembro. E desejamos de coração que nessa data, o dia do seu nascimento, esteja sempre repleto de amor e que seja sempre um bom e feliz momento, daqueles que compartilhamos com pessoas especiais como nossos familiares e amigos.

aniver setembro

É uma data especial pois lembramos o quanto a vida é maravilhosa e quantas oportunidades ainda estão por vir. Parabéns por mais um ano de vida. Feliz Aniversário!!!

setembro