Associação Nacional dos Agentes de Segurança Institucional do MPU e CNMP

Suspeitos de planejar morte de procurador da República e juiz são presos em Alagoas

Após conclusão do inquérito, presos serão denunciados por crime de formação de quadrilha.

Cinco pessoas suspeitas de participação no plano criminoso para assassinar o procurador da República Rodrigo Tenório, da Procuradoria da República no município de Arapiraca, e o juiz federal da 8ª Vara Federal Rubens Canuto Neto foram presas na manhã de hoje, 26 de março, pela Polícia Federal (PF). As prisões e o cumprimento de mandados de busca e apreensão da chamada Operação Agreste foram requeridos pelo Ministério Público Federal em Alagoas (MPF/AL) e determinados pela 8ª Vara Federal em Arapiraca.

Segundo o procurador da República Daniel Ricken, entre os presos estão o mandante do plano e as pessoas que seriam contratadas para executar as autoridades. Os nomes deles não foram divulgados, já que o inquérito policial ainda está em andamento. Um dos presos é um policial rodoviário federal. As prisões aconteceram nos municípios de Atalaia e Tanque D’Arca.

A investigação feita em conjunto pelo MPF, PF, Polícia Militar de Alagoas e Polícia Rodoviária Federal chegou à informação de que os pistoleiros receberiam cem mil reais para executar o procurador da República e o juiz federal. Após a conclusão do inquérito pela PF, os autos serão remetidos para o Ministério Público Federal, que deverá denunciar as pessoas indiciadas pelo crime de formação de quadrilha para prática de crime hediondo, previsto na Lei nº 8.072/90 (que trata dos crimes hediondos consumados ou tentados) e no artigo 288 do Código Penal. A pena prevista para esse tipo de crime varia de três a seis anos de reclusão. Segundo a Polícia Federal, os presos podem ter envolvimento com crimes de pistolagem e roubo de carga em Alagoas.

A existência do plano para eliminar as autoridades federais foi descoberta em 29 de janeiro. No dia 8 de fevereiro, o procurador-geral da República, Antonio Fernando Souza, tornou o caso público durante uma entrevista coletiva realizada em Maceió. A partir da descoberta do plano, as autoridades passaram a receber proteção, feita pela PF, agentes de segurança institucional do MPF e pela PRF.

“O sucesso da investigação foi possível graças à atuação conjunta e intensa de todos os agentes envolvidos no combate à criminalidade em Alagoas”, observou o procurador da República Daniel Ricken.

Luiza Barreiros
Assessoria de Comunicação
Procuradoria da República em Alagoas

Associação Nacional dos Agentes de Segurança Institucional do MPU e CNMP
Tel: (61)3224-9273 / (61)3223-6707


Por GB Criação de sites em Brasília